Os benefícios do parto normal

Os benefícios do parto normal

No Brasil, nota-se um aumento de bebês nascendo de parto normal, desde 2011. O indicado pela OMS é que até 15% dos partos seja cesariana, e os índices no Brasil são bem mais altos do que isso. O risco de morte materna associada à cesariana, por exemplo, é 3,5 vezes maior que o método natural. Conheça os principais benefícios desse tipo de parto e saiba como ele é realizado.

Melhor recuperação

O parto vaginal traz melhor recuperação da mulher, além de menos riscos de infecções, hemorragias e lesões de órgãos como bexiga, uretra, artérias e intestinos. São necessários menos medicamentos e o risco de trombose (entupimento das veias) também é menor, já que a paciente pode se movimentar durante todo o trabalho de parto e volta a caminhar mais rápido do que depois de uma cesárea. A perda de sangue é menor que no parto cesárea, já que não é preciso realizar cortes grandes e profundos.

Vantagens ao bebê

O vínculo entre a mãe e o filho também tem mais chances de ser mais intenso em um parto normal. É um momento em que a relação maternal é importantíssima. É verdade também que o bebê passa estresse durante o trabalho de parto normal. Mas as mudanças que acontecem durante esse momento desencadeiam a produção de substâncias – como os corticóides – que ajudam a preparar o organismo do bebê para o ambiente externo ao útero.

A saída pelo canal vaginal – e não pela barriga, como na cesariana – provoca uma compressão do tórax do bebê. Isso o ajuda a eliminar todo o líquido amniótico das vias respiratórias, aliviando desconfortos respiratórios.

Há desvantagens?

Quando não há condições de saúde que necessitem a realização de uma cesárea, a mãe e o bebê estarão bem em um parto normal e há toda uma equipe capacitada no hospital para dar assistência à mãe. Dessa forma, não há desvantagens. O que existe são os riscos do parto, seja ele via vaginal ou cesárea. Por isso, toda mulher que aguarda o parto normal precisa ser orientada que a qualquer momento pode ser necessária uma cesárea para dar melhor assistência a ela e ao bebê. Algumas situações que podem precisar de parto cesárea são: desproporção céfalo-pélvica (quando a cabeça do bebê é maior do que a passagem da mãe), hemorragias no final da gestação, bebê transverso (atravessado), sofrimento fetal, diabetes gestacional, pressão alta e trabalho de parto prolongado.

Mulheres que podem realizar parto normal

No início de uma gestação, qualquer mulher pode pensar em ter um parto normal, a não ser em casos que a mulher já tenha feito duas ou mais cesáreas anteriores ou tenha alguma doença que a impeça de ter um parto normal, como um problema cardíaco importante, por exemplo. Ao decorrer da gestação, entretanto, podem aparecer problemas que nos impeçam de realizar o parto vaginal, como o bebê não virar de cabeça para baixo.

Uso de anestesia

O parto normal pode ser realizado sem anestesia na maioria dos casos. Mas quando há cortes nos genitais, como a episiotomia, há o uso de anestesia local ou mesmo a raquianestesia, aquela aplicada nas costas apenas na hora do parto. Nos casos em que a equipe médica e a paciente optarem pelo uso de anestesia desde o trabalho de parto, será feita a peridural. Essa anestesia permite que a paciente fique sem dor, mas ainda possa manter sua movimentação para realizar as atividades propostas pela equipe e também ajudar a fazer força na hora certa.

Dores durante o parto

O parto vaginal costuma ser mais dolorido se for sem uso de anestesia, por conta das contrações uterinas, mas o limite de dor de cada mulher é muito variável. Em mulheres que não podem ou não querem receber a analgesia de parto através da peridural, podemos usar massagens, banhos de banheira e atividades como exercícios na bola. Mesmo as que recebem anestesia devem realizar essas atividades durante o trabalho de parto, pois favorecem a evolução do trabalho de parto.

(Fonte: Revista Minha Vida / Imagem: GettyImages)

Leave a Reply