Sentar na posição “W” faz mal para a criança?

Sentar na posição “W” faz mal para a criança?

Sentar em “W” (w-sit) refere-se à postura assumida quando a criança senta-se sobre as pernas, posicionadas no formato de um W. Caso a criança assuma insistentemente esta postura, pode vir a desenvolver problemas não só ortopédicos, mas também em relação ao desenvolvimento motor normal.

A Editora abril, em seu site www.bebe.abril.com.br, publicou a matéria “Sentar na posição “W” faz mal para a criança?”, que compartilhamos com vocês abaixo:

Sentar na posição “W” faz mal para a criança?

“Meu filho está acostumado a se sentar com as perninhas em ‘W’. Devo ficar preocupada?”

“Ficar em ‘W’ está entre as posições mais adotadas pelas crianças, especialmente a partir dos 10 meses – fase em que elas começam a se sentar sozinhas. É normal que elas mantenham as pernas dessa forma, principalmente quando brincam e enquanto alternam de uma posição para outra, por se sentirem mais seguras e confortáveis. Quando comparada a outras posturas, a posição em W proporciona um aumento na base de sustentação do corpo dos pequenos – o que garante maior estabilidade e menor necessidade de ajustes na postura. No entanto, se assumido com frequência, este hábito pode causar alterações ortopédicas, no desenvolvimento ósseo e no desenvolvimento motor, como o não fortalecimento dos músculos da bacia e da coxa, que não são estimulados e trabalhados enquanto a criança fica dessa maneira. Pode haver, ainda, um encurtamento muscular ao nível da bacia, levando a um atraso nas aquisições de equilíbrio e de controle de tronco. O mais indicado é ter uma alternância na forma que as crianças se sentam, pois assim elas são capazes de ir descobrindo aos poucos os limites do seu corpo. Para prevenir complicações, deve-se sempre estimulá-las a mudar de posição enquanto permanecem sentadas. Pernas cruzadas, para frente ou dobradas para o mesmo lado podem ser algumas variações de postura que evitam problemas futuros”, explica José Gabel, membro do Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial e Cuidados Primários da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP).

Leave a Reply